19 de março de 2012

Inspirações Nipônicas (1)

Inspirada pelo post da queridíssima Karina Kovalick no blog Sushi de Banana, encontrei este prédio com uma releitura da obra Kanagawa oki nami ura de Hokusai.




16 de março de 2012

Quarta-feira é dia de ir à Feira da Maria Eugênia

Desde que mudei para o Humaitá, pouco aproveitei da feira livre que acontece às quartas-feiras na rua Maria Eugênia. Geralmente passo lá para andar com a Neve e comer uma tapioca. Nesta última quarta, desci com a Neve para fazer as compras. A fofa se comportou muito bem, sentou ao meu lado enquanto pedia aos vendedores o itens que queria comprar. Na peixaria, ficou sentadinha me olhando pedir o atum ao Nonno, que ao final do atendimento me chamou de bambina - oh, maravilha ser ainda chamada de menina! Comprar alimentos frescos faz toda a diferença. Acreditem, com R$20,00 comprei tomates, batatas, limão, couve-flor, repolho, alface americana, dois medalhões de atum fresco e um saco com cortes sortidos de cenoura, beterraba e repolho. Saí feliz da vida para fazer o almoço. Agora, toda quarta-feira tem peixe lá em casa! Então, vamos à feira?

14 de março de 2012

Sempre às 19horas

Alguns momentos em nossas vidas só passam a ter importância, valor, quando não mais os vivenciamos. O jantar servido às 19horas é um desses momentos mágicos, que por força dos caprichos ordinários, passou desapercebido em minha vida. Eu me aprontava sem reclamar para bater pontualmente na porta do templo. Subia a rua em disparada para não atrasar. Acostumada a servir, naquele momento eu era servida, e amada, sem perceber. Nada melhor do que a refeição para dar a oportunidade de oferecer amor sem dizer. A luz da casa era perfeita, nem ofuscava nem ocultava os movimentos realizados para o "mise en place". Talheres nos lugares corretos, taças para cada tipo de bebida, a louça de gerações e gerações, a delicadeza do jogo de mesa, palavras escolhidas para agradar. Hoje em dia, raramente encontramos pessoas educadas e prontas a servir não só o melhor em alimentos, mas em delicadezas. Filigranas de amor que não percebemos. Histórias de família em confissões segredadas, piadas graciosas que alegravam a alma e atualidades que marcavam observações do mundo. Comme il faut! À mesa, uma sequências de pratos servidos sincronizadamente, sem atraso, num timing perfeito - como deve ser na cozinha, como deve ser ao servir. Das paixões guardadas na memória ficam as histórias de família e a sopa de cogumelos servida na sopeira individual com tampa de massa folheada. Um luxo! Quando nos desapegamos dos caprichos do ego, percebemos o quanto somos presenteadas pelas pessoas que encontramos na vida. Mudar a perspectiva do olhar e perceber isso é um grande benefício. Para Inge Schroot, muito obrigada por todas as ocasiões especiais.

Jodie Foster e Contato: um filme marcante


É sempre bom rever :o)

6 de março de 2012

Marilyn sempre Monroe


A exposição 'Quero ser Marilyn Monroe!' estará na Cinemateca Brasileira, de 4 de março a 1º de abril, com entrada gratuita. A Cinemateca está aberta para visitas de segunda à domingo, das 10 às 21h. Veja+

4 de março de 2012

Quotes

Boca da Verdade


Supostamente uma tampa de esgoto da época de Nero, é uma das atrações turística da cidade de Roma. Seu nome é devido à função de oráculo que lhe foi atribuída durante a Idade Média. O oráculo assumia também a função de juiz popular nos casos de suspeita de infidelidade conjugal: o suspeito deveria meter a mão dentro da boca da figura e esta poderia decepá-la em caso de culpa. Conta-se que um marido suspeitando, com razão, da fidelidade de sua mulher arrastou-a para o julgamento. Esta, porém, previamente havia combinado com o amante o seguinte plano: ele deveria aproximar-se dela fingindo-se de louco e abraçá-la na presença de todos. E assim foi feito. Isto posto, a mulher meteu a mão na boca, jurando que nunca havia sido abraçada por outro homem senão seu marido e aquele sujeito louco. E assim ela escapou da condenação, mas a boca a partir daquele momento ficou desacreditada, perdendo sua função de juiz.A figura representada na escultura poderia ser uma divindade das águas, como o assim chamado “Marfório”, gigantesca estátua colocada num dos pátios do Museu dos Conservadores, no Capitólio. (Fonte: Recanto das Letras).

2 de março de 2012

Lendo sobre a nova Ciência dos Sentimentos

A liberdade de ter tempo


Queixamo-nos do tempo: "não tenho tempo para isso, não tenho tempo para aquilo". Na verdade, por conta de tantas contingências, deixamos o tempo nos dominar e não priorizamos aquilo que realmente nos importa fazer. Verdade seja dita, o tempo não é o responsável pela nossa incapacidade de realizar as tarefas do cotidiano, nós somos os responsáveis. 

A reengenharia do tempo vem sendo discutida há alguns anos. Por exemplo, Rosiska Darcy de Oliveira falou sobre essa reengenharia em livro e palestras. Infelizmente, as pessoas não prestaram atenção a isso. Veja o que Rosiska fala sobre ter tempo:

O que é ter tempo?
Este é o momento da história da humanidade em que cada um de nós é obrigado a escrever, na sua vida, sua própria biografia. Não há mais modelos prontos: cada indivíduo precisa dar sentido as suas escolhas. Assumir o seu tempo, escapando das expectativas dos outros e elegendo o que é importante para você, é uma imensa responsabilidade. Mas acredito que perseguir o bem-estar é o caminho mais seguro para triunfar na vida. E para isso é preciso ter tempo. Tempo, para mim, é sinônimo de liberdade.

Recomendo a entrevista de Rosiska sobre o livro. Organize seu tempo e leia aqui.