25 de novembro de 2011

Simples, como deve ser...salada!


O que vai almoçar? Veja a minha dica. Tudo fresco: tomates, salsa crespa, alcaparras, queijo de cabra, pimenta rosa. Uma salada rápida. Tempere com sal moído na hora, azeite trufado e vinagre balsâmico com figo. Uma delícia! Bon Apetit!

Delirium...


A melhor cerveja do mundo!

21 de novembro de 2011

Meditação na Lavanderia

Trabalho em casa, o que é bom, o que é ruim. Tudo depende da disciplina. Tento estabelecer horários para a realização das tarefas. Tento não me perder em postagens no Facebook. Tento levantar da cadeira, caso contrário quando o expediente termina já é alta madrugada - isso acontece mesmo! Neve me ajuda muito, pois tenho que levá-la na rua no mínimo duas vezes por dia, o que me tira das estatísticas de uma vida sedentária pois subo e desço a ladeira da minha rua, além de andar por todo o bairro com a fofa. Em alguns dias, tiro o horário de almoço para ir ao banco pagar contas, fazer a lavanderia. Nessa hora que tiro, vou pensando em mil coisas que tenho que fazer. A cabeça não pára. Quando vou para a lavanderia, fazer eu mesma a roupa, tenho meu momento de meditação. Concentro-me nos minutos da operação de lavagem e secagem da roupa, além dos minutos para colocar o sabão em pó e o amaciante. Regular o tempo de secagem das roupas é outro desafio: cada tipo de tecido tem um tempo diferente. Com essas atividades dentro da atividade lavanderia tenho a possibilidade de me ausentar de todo pensamento de trabalho e pensar um pouco na vida - isso acontece nos minutos que tenho que sentar e esperar. Quando sento para esperar, olho para fora e vejo a rua, com toda poeira brilhante que é projetada a cada carro que passa. Somos poeira brilhante...medito entre outros pensamentos borbulhantes: meditação na lavanderia.

O mundo precisa de mais coração


Conheça +
Assista aqui.

19 de novembro de 2011

Banana Design


Fantástico.
Pena que não foi criado aqui :o(

A Felicidade Desesperadamente


Depois de alguns anos,volto a ter plantas em casa. Até então, passei a "cultivar" plantas de plástico. Esta Árvore da Felicidade ganhei já tem alguns meses, mas só agora ela veio para casa. Seja Bem-vinda, querida árvore! Agora somos eu, Neve e a Árvore da Felicidade na casa :o)

17 de novembro de 2011

Batalha Diária em Busca do Bem


Nestes últimos dias, venho acompanhando uma série de eventos trágicos e fatais com animais. Os autores desses atos: os humanos. Cão arrastado, cão queimado, cão espancado, gatos abandonados, gatos espancados, cavalo morto com ponteira de pedreiro, animais silvestres desnutridos, roubados, carregados em caixinhas. Parece que o mundo está despencando numa avalanche impossível de conter. Nosso Titanic está indo em direção ao seu iceberg. Numa tentativa desesperada de conter os fatos, amigos e conhecidos empreendem atos de indignação, manifestações, vigílias. Eu pratico mantraterapia e o não-ter-raiva dos meus semelhantes. Tento espalhar nas redes energias boas que possam chegar aos ouvidos de monstros para que nestes Buda desperte. Pois assim dizem as escrituras: todos nós temos o bem e o mal, assim como o estado de Buda dormindo dentro de nós. Tento não desanimar. Tento animar os companheiros de batalha e luta. Não pensem que esquecemos das pessoas, que somos egoístas em pensar apenas nos animais. Eu ajudo pessoas. Eu dou sangue para pessoas. Além de mim, muito mais gente dá. Por isso me engajo nas causas animais, pois pouca gente se engaja. Aliás, hoje, lamento dizer, pouca gente se engaja em algo...até mesmo em ajudar gente. Começo a temer o meu semelhante. Não é a internet que me prenderá em casa, mas o outro. O outro que eu não sei o que pensa, o que quer, o que esconde.

16 de novembro de 2011

Horta em Casa


Vi vender hoje numa banca de revistas na Visconde de Pirajá, Ipanema, Rio de Janeiro. Além das sementes, acompanha um DVD para explicar como fazer. O kit custa R$26,00 e foi feito com o apoio do Sabor da Fazenda, Osklen e Chácara Tropical.

Pousada do Sol


Foi aqui que BB se hospedou quando foi a Búzios pela primeira vez. A pousada pertencia, desde aqueles tempos, a argentinos. Já me hospedei duas vezes lá. Por mais que haja luxo em Búzios, com hospedagens maravilhosas em suas ilhas e praias, gosto desta daqui. Neste quarto, tem-se a sensação de estar na areia da praia deitada, com as ondas batendo, as gaivotas sorrindo e a brisa marinha te saudando. Hora de voltar para lá :o) Recomendo o restaurante Cigalon, dentro da Pousada do Sol.

14 de novembro de 2011

9 de novembro de 2011

Parador Casa da Montanha


Região do Parque Aparados da Serra e Parque Nacional da Serra Geral.
Um dos canyons vizinhos é o do Itaimbezinho.
Uma viagem para fazer em 2012.

8 de novembro de 2011

Era tão bom estudar o latim

Sempre gostei das letras e dos números. Não me arrependo de ter enveredado pelas letras, apesar de às vezes achar que deveria ter seguido os números. Mas hoje convivo com ambos, uma relação ímpar e por vezes esquizofrênica, rsss. Me encanta ouvir as letras juntas em idiomas diferentes. Adoro o português de Portugal, o português de Moçambique, o italiano de Milão ou Roma, o francês parisiense, o catalão, o espanhol de Madrid e o castelhano de Buenos Aires. Gosto do português do carioca e do português bem falado e cantado no norte do país. Em Belém ouvi um português muito bem falado. Em Brasília também. E o japonês, o russo. Mas de todas as línguas, a que sempre me encanta, e da qual me arrependo de ter estudado pouco, apenas 1 ano, é o latim. A língua morta mais viva do mundo. Conversava com uma amiga neste último final de semana sobre as particularidades do latim. Se você estudou bem o latim, você se comunica em qualquer idioma. Na Puc-Rio fui aluna da Miriam Sutter Medeiros - excelente professora. Usávamos a gramática do Napoleão e o Dicionário do Torrinha - não me desfaço deles por nada neste mundo. Hoje em dia, ouço falarem tão mal o português. Mesmo assim, tento ao máximo não relaxar. E quando posso sempre repito: e o latim, era tão bom estudar latim.

7 de novembro de 2011

Meditation Hour at Samsara



"Há um ditado indiano: se você foi atingido por uma flecha envenenada, é preciso primeiro removê-la. Não há tempo para perguntar quem atirou, que tipo de veneno há nela e tudo mais. Primeiro, lide com o problema imediato, mais tarde podemos investigar (...)"

Leia o texto na íntegra no Blog Samsara