14 de abril de 2011

Síndrome dos tempos modernos...


Eu já tinha escrito antes sobre o não dormir. Sobre os sonhos acho que não, até porque não sonho ou ao menos não me lembro. Mas não vou falar de sonhos. Vou falar agora de algo que parece uma insônia, mas na verdade  é um estado de não dormir.Começa assim: você chega em casa, anda com o cachorro, encontra pessoas na rua, volta para casa, come alguma coisa, bebe alguma coisa, senta no computador e simplesmente não desliga...como assim não desliga? Não desliga...a gente se pluga e fica pendurada ali na tela do laptop ou do iPhone e não desconecta. As coisas acontecem em volta e a gente quase não percebe. Só percebe quando o cachorro late para te chamar a atenção. Quando finalmente a gente se desliga, se afasta das máquina, e vai dormir, aparece uma tela no nada, no espaço vazio. No escuro, conexões, linhas, imagens, textos, infográficos (eu adoro infográficos) - tudo aparece na sua frente, menos o sono ou sonho. Levanta, bebe água, faz carinho no cachorro, deita de novo. Levanta, acende a luz, pega uma revista, lê um pouco. Tudo bem, dá um cochilo, mas é tão rápido que nem parece que dormiu. Sinto inveja, branca, da Neve, ela dorme, ronca,até late enquanto dorme a fofa. No meio disso tudo, o mundo se acalma e fica em silêncio - é nessa hora que os insights aparecem e aí...tentação de pensar nos projetos, escrever, trabalhar - levanta e volta para a máquina. Se eu morasse em outra vizinhança, sairia de bicicleta à noite, iria para a academia malhar - quem sabe assim ficaria exausta e cairia dormida. Considerações à parte, a energia das máquinas suga nossa energia vital  e nos afasta da tranquilidade do sono. Viramos zumbis ou entramos na matrix? Será que isso tem jeito? Isso é semelhante a chegar numa festa, num almoço, num jantar ou evento e ao invés de conversar com as pessoas, você simplesmente tira o celular da bolsa e começa a teclar, conversando sozinha com o outro lado, mas essa é uma outra história...

Nenhum comentário: