25 de fevereiro de 2010

Anotações Interiores

Passamos empreendendo viagens ao longo dos dias. Já perceberam? Viagens de casa até o trabalho. Do trabalho até em casa. No meio do caminho, viagens interiores. Projetos de viagens mais longas, exteriores. Uma livraria ou um restaurante que você deseja conhecer, às vezes uma única rua, um monumento, uma exposição. Com sorte, encontrar amigos ou parentes longínquos. Desenterrar histórias, causos. Passar por acontecimentos inesperados. Nossa memória é uma mesa de escritório abarrotada. O que demais cair ali, se perderá. Para evitar isso, ajude na arrumação. Leve consigo um diário de viagem, anote a sua jornada, seja ela à qual dimensão pertencer. Torne-a realidade. Desperte o desejo. Ponha o plano em ação e realize! Mas não esqueça: escreva a história!

2 comentários:

glduro_marieloupe disse...

Por vezes, chegamos ao destino sem saber como, sem sequer nos darmos conta do trajeto. Mas também, por vezes, vemos coisas e gentes que não tínhamos visto nos dez ou quinze ou vinte anos em que fizemos a mesma viagem.

É nestas horas que fazemos planos, revemos vidas, traçamos destinos. É nestes momentos de absoluta quietude interna e silêncio - quando não somos o que deixamos de ser nem o que vamos ser - que as idéias afloram; a inspiração se faz; o coração se abre para nós mesmos.

É. É uma viagem, realmente. Interior, interna, uterina. Viagem matricial...

marieloupe

Nelida Capela disse...

Que belo texto da Marie para o Olhar Nômade.Obrigada, Marie, por compartilhar conosco tão sensíveis observações.