4 de agosto de 2009

Corrida de Cavalos

Tenho um vício: cavalos. Se eu não tivesse vergonha na cara, jogava todos os dias. Para dizer a verdade, nunca joguei. Peço aos outros que joguem por mim. Só posso ver a raia de longe. Adoro sentir a cavalgada na areia, como um trovão chegando. Vocês já ouviram isso? É um som de outro mundo, gente. Veja bem, não quero incentivar ninguém à prática da jogatina. É apenas uma experiência. Além do trovão, você poderá sentir o cheiro do pêlo, o cheiro da areia ou da grama, o cheiro da coragem, da surpresa do jóquei. Você poderá sentir o seu coração bater junto com o coração do cavalo nas retas, na curva e principalmente no cabeça a cabeça. Neste último domingo, pedi a duas amigas que jogassem no 5 para mim. Pedi também que trouxessem o jornal com o nome dos cavalos. Coisa interessante ler seus nomes: Urubu Malandro, Tonelada, Funny Guy, Tibetian, Charov, Light Blue, My Way, Sex and the City, Honoris Stella, Good Feeling - gostei deste. Isso me lembrou aquele filme com Anjelica Houston e John Cusak, Os Imorais. Vocês já viram, é do ano de 1990. Anjelica trabalha para um gângster, apostando o dinheiro em corrida de cavalos. Acho que vou até rever. Mas aviso, é um filme angustiante. Não façam mal juízo de mim. Cavalos fazem parte da emoção da vida.

3 comentários:

Vilma Goulart disse...

Nélida,

Me identifiquei totalmente com o seu post. ;o)

Eu matava aula na faculdade (PUC, à noite) só pra ver os cavalinhos correrem os páreos. É uma sensação realmente única! E quanto ao 'trovão'...concordo em gênero, número e grau...é demais!

Nelida Capela disse...

É um momento mágico sentir o trovão, da cabeça aos pés!

Nelida Capela disse...

Um alívio saber que mais amigas compartilham dessa aventura!